quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O que há depois do portão?

Além do quarto, para fugir da vontade sufocante de dormir
Passo pela sala, passos curtos, demorados
Mão  leve sobre o sofá
A janela mostra, fito o olhar sobre o desconhecido
A curiosidade de ir pra onde se sabe que não volta
Vontade imensa de satisfazer o destino da carne
Passar por ele e ver a primavera
Sentir o inverno
Sem nenhuma certeza
Além da que quando saciar a dúvida
Somente eu saberei e nunca poderei dizer a ninguém